AVALIAÇÃO FILOSOFIA GERAL I

Avaliação final – Filosofia Geral I
1)      Considere como Agostinho articula mal e culpabilidade e disserte sobre a passagem seguinte:
“Ainda então me parecia que não éramos nós que pecávamos, mas não sei que outra natureza, estabelecida em nós. A minha soberba deleitava-se com não ter as responsabilidades da culpa. Quando procedia mal, não confessava a minha culpabilidade, para que me pudésseis curar a alma, já que vos tinha ofendido, mas gostava de a desculpar e de acusar uma outra coisa que estava comigo e que não era eu. Na verdade, tudo aquilo era eu, se bem que a impiedade me tinhas dividido contra mim mesmo!”
Agostinho Confissões
2)      Compare a formulação de Epicuro com os textos  de Agostinho trabalhados em aula. Destaque os elementos do maniqueísmo que Agostinho questionava.
“Deus, ou quer impedir os males e não pode, ou pode e não quer, ou não quer nem pode, ou quer e pode. Se quer e não pode, é impotente: o que é impossível em Deus. Se pode e não quer, é invejoso: o que, do mesmo modo, é contrário a Deus. Se nem quer nem pode, é invejosos e impotenete: portanto, nem sequer é Deus. Se pode e quer, o que é a única coisa compatível com Deus, donde provém então a existência dos males? Por que razão é que não os impede”
             Epicuro
3)      Disserte sobre o trecho abaixo:
“Os céus e todo o resto do universo pregam a glória, o poder e a unidade de Deus: apenas o homem, essa obra-prima do criador entre as coisas sensíveis, apenas o homem, digo, fornece grandes objeções contra a unidade de Deus.”(Pierre Bayle, Nota D, verbete Maniqueus. Dicionário Histórico e Crítico)
4)       Explique a distinção feita por Bayle entre os aspectos a priori e os aspectos a posteriori de uma teoria e sua “reabilitação” do maniqueísmo.
5)       Disserte sobre a passagem abaixo:
“Assim, pode-se dizer que, de qualquer maneira que Deus criasse o mundo, este teria sido sempre regular e dentro duma ordem geral. Deus escolheu, porém, o mais perfeito, quer dizer, ao mesmo tempo o mais simples em hipóteses e o mais rico em fenômenos, tal como seria o caso duma linha geométrica de construção fácil e de propriedades e efeitos espantosos e de grande extensão” Leibniz Discurso de Metafísica
6)      Leibniz sustenta que a bondade de Deus depende de seu entendimento. Ele distingue também querer e permitir. Disserte sobre esta distinção e sobre a relação entre bondade e entendimento, mostrando como elas são importantes para solucionar o problema do mal e como se articulam entre si.

Comentários

  1. Olá Professor...o Senhor poderia verificar minha notas, pois no meu historico está registrado "reprovado sem notas". Grato.
    Edwaldo Willis de Carvalho

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

VIII Colóquio Nacional Jean-Jacques Rousseau